Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

"Uma no cravo outra na ferradura"

Se é certo que as autarquias, muitas das vezes, contribuíram para o esbanjamento de dinheiros públicos e constituíram um mau exemplo de rigor e investimento sustentado, também é certo que agora contribuíram em muito para a diminuição do défice público.

Mesmo que com base numa solução de financiamento, imposta pelo poder central, os factos estão aí e são positivos.

São a prova de que com menos dinheiro se pode continuar a servir a população. Nem sempre mais dinheiro equivale a mais eficácia.

publicado por politicar às 22:30
link do post | comentar | favorito
|

Vamos falar claro

O chefe da oposição em Portugal, fala em rigor, clareza , honestidade, verticalidade...

Trata-se de um conjunto de valores que todos devemos defender e sinceramente acredito que a maioria dos portugueses ainda o faz de viva voz e de corpo presente.

O que já não podemos aceitar é que se transforme um discurso destes em falso moralismo, do género "faz o que eu digo não faças o que eu faço".

Vejamos alguns exemplos:

 

- transparência

Exemplo: Alberto João Jardim recusa-se a divulgar a lista de devedores ao fisco na região, leia-se, devedores a todos nós.

 

- rigor

Exemplo: Ao contrário da Universidade Independente nenhuma outra instituição de ensino superior passa certificados a quem raramente frequenta as aulas, nenhuma outra atribui equivalências pagas a peso de ouro, nenhuma outra fez aprovar cientificamente cursos e /ou alterar os seus domínios de especialização depois de deixarem de ser leccionados

 

- nomeações por competência

Exemplo: No tempo em que a oposição estava no governo da nação nunca, mas nunca, se ouviu alguém dizer coisas do género: "Se queres evoluir na carreira terás de ter um cartão" (à data laranja) - "Dentro de dias vais ver se eu não tenho razão... já estarei noutra posição!". E não é que alguns estavam mesmo?!

 

- Isenção

Exemplo: Nunca ninguém ,de outra força política, telefonou a alguém que, por obrigação laboral, se viu envolvido num processo de selecção para pedir uma pequena atenção a uma pessoa muito competente da sua família. Nem sabemos como encontrar exemplos!...

 

- Um peso uma medida

Exemplo: Ascender alguém, aos órgãos sociais da TVI, ligado ao PS é considerado quase hediondo e de uma desconfiança digna de registo, mas alguém, do PSD, à frente da SIC, é algo de inquestionável e insuspeito

 

Vamos falar claro! Comportamentos eticamente reprováveis são de rejeitar mas devemos ser claros quando os evocamos e, acima de tudo, dar o exemplo! Caso contrário deixemos para quem tem força moral.

publicado por politicar às 21:52
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Abril de 2007

Maus alunos

Não há coisa que mais me entristeça que assistir, tão impávido quanto a minha paciência aguente, à incapacidade do nosso poder autárquico, pilar essencial do sistema democrático do nosso país, em se adaptar aos novos desafios da actualidade e aos desejos e anseios legítimos da população.

Certo é que continuam a desempenhar um papel preponderante e inquestionável no apoio e desenvolvimento de serviços básicos à população que, por serem básicos, já não deveriam ser alvo de comentários ou "publicidade" em boletins municipais e folhas informativas mas antes aceites como banais no serviço público que se espera.

Tal como os alunos que, não sendo bons alunos, mecanizaram procedimentos e resolvem sem grande dificuldade os problemas escolares mas ficam perdidos, quando se lhes pede que apliquem conhecimentos a situações novas e novos contextos, também as autarquias parecem um pouco "perdidas" quando se lhes exigem novas responsabilidades, discutindo de quem é a competência, onde estão as transferências de verbas correspondentes, etc , etc ...

O que deveriam, em primeiro lugar, garantir era se essas responsabilidades e competências trazem alguma mais valia às populações que servem ou pelo contrário são lesivas dos seus interesses.

Só depois deveriam negociar, exigir, com a legitimidade conferida pelos seus eleitores, as contrapartidas correspondentes.

Afinal as autarquias servem os cidadãos não se servem dos cidadãos.

publicado por politicar às 18:36
link do post | comentar | favorito
|

.Blog de opinião política

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


.artigos recentes

. Eu queria votar

. Rankings das escolas mais...

. Dança de cadeiras

. A política à escala do mu...

. A Justiça e a Igualdade

. ...

. Miguel Relvas e as cenas ...

. "Carta" ao Primeiro Minis...

. Manifestação nacional de ...

. Verdade e política

.arquivos

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds