Quarta-feira, 3 de Julho de 2013

A política à escala do mundo atual

Tenho falado, escrito, por vezes vociferado, de que entendo que a política é para as pessoas e não contra as pessoas mas, se fossemos civicamente mais ativos, politicamente mais  informados, humanamente mais solidários (não caridosos pois nesse caso a intencionalidade é muito mais castrativa da condição humana), estaríamos há muito a debater o problema da escala em política.

Este aspeto não é, como alguns podem  de imediato pensar, incompatível com a primeira afirmação.

Quando falamos em escala podemos abordar duas vertentes, tão antagónicas quanto convergentes, na ameaça à nossa condição humana de liberdade, igualdade e fraternidade...

Se por um lado, a globalização e a expansão do capitalismo desenfreado trouxe a hegemonia dos mercados e formas de governo financeiro, em nada sufragadas pelo poder do voto, por outro, cultivamos a pequenez das autarquias, dos serviços regionais, que de regionais só têm o nome, dos partidos que não se abrem à sociedade e que são sempre dirigidos pelos mesmos, numa teia quase mafiosa e bafienta de interesses, de relações de favor e promoção do pequeno poder e da mediocridade de ideias.

Ambas as situações têm sentidos à escala divergentes mas convergentes nos seus objetivos: empobrecer as pessoas, sonegando informação e liberdade, promovendo a caridade controladora que apenas aumenta esta dependência e amarra as pessoas a uma situação sem retorno para que muito poucos consigam manter e/ou aumentar os seus privilégios.

Imagem www.anmp.pt
publicado por politicar às 13:51
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Maio de 2011

Como os políticos não conhecem o país real

Desta vez nem apetece escrever sobre tamanha incoerência...

Convido os leitores a consultarem, em primeiro lugar,  esta notícia do SOL

 

http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=19255

 

 

Depois uma vista de olhos sobre o resultado deste inquérito no Portal Sapo (2011-05-15, pelas 23.40h)

 

 

Resta referir, para os mais distraídos (talvez a classe política) que se trata de Portugal...

publicado por politicar às 23:37
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

Fins e meios

  

Entrámos numa fase eleitoral em que o espírito terceiro mundista mais arreigado nos nossos políticos vem à tona, numa fase em que vale tudo para conseguir uma nova eleição, uma dúzia de votos, mesmo que os meios para o atingir sejam francamente deploráveis...

Há aqueles que compram eleitores, aqueles que despedem pessoal, os que multam por tudo e por nada, os que ameaçam quem não faz greve, os que ameaçam quem a faz, os que reabrem a poucos dias/meses das eleições uma valência cultural ou desportiva, aqueles cuja medida mais popular é estoirar centenas de milhar de euros em fogo-de-artifício...

Enfim temos para todos os "desgostos" mas ainda a procissão vai no adro...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Há aqueles que compram eleitores, aqueles que despedem pessoal, os que multam por tudo e por nada, os que ameaçam quem não faz greve, os que ameaçam quem a faz, os que reabrem a poucos dias/meses das eleições uma valência cultural ou desportiva, aqueles cuja medida mais popular é estoirar centenas de milhar de euros em fogo-de-artifício...

Enfim temos para todos os "desgostos" mas ainda a procissão vai no adro...

 

 

publicado por politicar às 22:45
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 25 de Janeiro de 2009

Autarquias e referendos

 

Não é a primeira vez que nos debruçamos sobre o espaço do portal SAPO para tecer aqui alguns comentários.

Desta vez temos uma outra questão a votação: "As autarquias deviam recorrer com maior frequência a referendos nas suas tomadas de decisão?".

 

A este net inquérito temos, como respostas às 15:46h de dia 25 de Janeiro de 2009, a seguinte votação:

 

67% sim

23% não há necessidade

10% não sei

 

Ora a estes resultados, qualquer autarca que se preze, não ficará alheio a não ser por alguma ordem de razões que pode inclusivé passar pela pouca apetência destes eleitos para as NTIC, como podemos ilustrar pela fraca implantação das autarquias e dos seus serviços on line, no ciber espaço.

De facto são resultados que, a meu ver, mais do que serem susceptíveis de levar a um incremento desenfreado deste mecanismo democrático de consulta às populações, devem levar, isso sim, a uma reflexão séria sobre o porquê de tantos portugueses (e acredito serem muitos mais com a mesma opinião) sentirem esta necessidade.

Mais do que uma crise da democracia representativa, que nunca deve ser posta de lado, parece haver na base deste sentimento um aspecto muito mais grave - os autarcas, uma vez eleitos e ressalvando algumas e felizes excepções, esquecem quem os elegeu e o espírito de serviço público que deveria nortear a sua acção.

Os portugueses gostariam de ver os seus autarcas a cumprir promessas, a gerir estrategicamente os seus concelhos e freguesias, a deixar de lado a mediocridade da política gerida pelo caciquismo e eleitoralismo barato, pelo clientelismo e pela política da terra queimada que afasta os mais capazes e competentes, gostariam de ver os seus autarcas imbuidos de um espírito de cidadania, civismo e responsabilidade não pondo em causa o futuro dos nossos filhos e a existência de muito territórios.

 

publicado por politicar às 15:40
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008

Cheias e responsabilização

Bastaram algumas horas de chuva intensa e repare-se que intensa não é sinónimo de diluviana, para que Portugal ficasse num arraial de sirenes, meios de socorro, estragos tremendos e, o pior de tudo, a contar algumas mortes.

A assistir a este cenário estava eu, quando me dei a sentir aquela sensação de querer partilhar a minha interpretação do que me parece ser um resultado de incúrias, incompetências e impreparações tais, que mereciam levar a responder perante a Justiça  todos aqueles que para ela contribuíram .

Não será até mesmo muito difícil adivinhar a quem me refiro e eis que uma notícia SIC me dava o conforto que os humanos sentem quando não estão sozinhos em presença e pensamento.

O Ministro do Ambiente acusava as autarquias pelas cheias!...

Vejamos:

- as autarquias regem-se por normas técnicas apuradas e rigorosas, fundamentam a decisão em pareceres técnicos e colocam-nos acima de todo e qualquer interesse imobiliário?

- as autarquias desenvolvem um conhecimento aprofundado dos seus territórios, da história dos seus leitos de cheia?

- as autarquias apenas recrutam técnicos e assessores com elevada capacidade técnica e profissional nunca por conhecimento, favor ou factores políticos?

- os decisores autárquicos têm elevados conhecimentos, preparação e sentido de serviço público?

- as autarquias têm a noção estratégica de desenvolvimento local, regional e nacional?

- as autarquias são proactivas em matéria de prevenção e gestão do território?

Não se afigura necessário fazer mais questões... responda a estas e verá quem tem razão!

publicado por politicar às 22:46
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

"Uma no cravo outra na ferradura"

Se é certo que as autarquias, muitas das vezes, contribuíram para o esbanjamento de dinheiros públicos e constituíram um mau exemplo de rigor e investimento sustentado, também é certo que agora contribuíram em muito para a diminuição do défice público.

Mesmo que com base numa solução de financiamento, imposta pelo poder central, os factos estão aí e são positivos.

São a prova de que com menos dinheiro se pode continuar a servir a população. Nem sempre mais dinheiro equivale a mais eficácia.

publicado por politicar às 22:30
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Abril de 2007

Maus alunos

Não há coisa que mais me entristeça que assistir, tão impávido quanto a minha paciência aguente, à incapacidade do nosso poder autárquico, pilar essencial do sistema democrático do nosso país, em se adaptar aos novos desafios da actualidade e aos desejos e anseios legítimos da população.

Certo é que continuam a desempenhar um papel preponderante e inquestionável no apoio e desenvolvimento de serviços básicos à população que, por serem básicos, já não deveriam ser alvo de comentários ou "publicidade" em boletins municipais e folhas informativas mas antes aceites como banais no serviço público que se espera.

Tal como os alunos que, não sendo bons alunos, mecanizaram procedimentos e resolvem sem grande dificuldade os problemas escolares mas ficam perdidos, quando se lhes pede que apliquem conhecimentos a situações novas e novos contextos, também as autarquias parecem um pouco "perdidas" quando se lhes exigem novas responsabilidades, discutindo de quem é a competência, onde estão as transferências de verbas correspondentes, etc , etc ...

O que deveriam, em primeiro lugar, garantir era se essas responsabilidades e competências trazem alguma mais valia às populações que servem ou pelo contrário são lesivas dos seus interesses.

Só depois deveriam negociar, exigir, com a legitimidade conferida pelos seus eleitores, as contrapartidas correspondentes.

Afinal as autarquias servem os cidadãos não se servem dos cidadãos.

publicado por politicar às 18:36
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

Transferência de competências em Educação

Surgem notícias de que o Ministério da Educação se prepara para negociar a transferência de mais competências, em educação, para as autarquias podendo mesmo incluir a gestão de estabelecimentos de ensino até ao 3º ciclo.
Num qualquer país da Europa isto é normal, seria mesmo normal no nosso país e talvez seja inevitável a médio prazo mas tal como não se pede a uma criança de 3 anos de idade que escreva fluentemente também será difícil alcançar este desiderato no nosso estado de desenvolvimento democrático.

As autarquias desempenharam um papel importantíssimo na época pós 25 de Abril mas veja-se o que conseguiram no que concerne às competências que já detém em termos de educação...
As escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico estão degradadas, sem equipamentos, sem material pedagógico e didáctico, recebem chocolates e obras ao sabor das eleições, sujeitam-se a trabalhar com obras pois os funcionários das autarquias não podem trabalhar nas interrupções lectivas...

As colocações de pessoal não docente, nos Jardins de Infância, não obedece a rigorosos critérios de selecção com base em perfil adequado às funções a exercer, é instável e aleatória com base em programas dos centros de emprego e POC carenciado...

Surgem mesmo algumas "sugestões", por parte de alguns eleitos, para lugares em mecanismos concursais nacionais e com regras, até agora, transparentes e democráticas, imunes ao clientelismo e ao "favor" que garante eleições.

A verificar-se a intenção, devemos reflectir profundamente sobre as implicações que esse processo trará à qualidade de ensino e ponderar se é a altura certa!

publicado por politicar às 22:51
link do post | comentar | favorito
|

.Blog de opinião política

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


.artigos recentes

. A política à escala do mu...

. Como os políticos não con...

. Fins e meios

. Autarquias e referendos

. Cheias e responsabilizaçã...

. "Uma no cravo outra na fe...

. Maus alunos

. Transferência de competên...

.arquivos

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds