Terça-feira, 16 de Janeiro de 2007

Será mesmo Portugal?

Parece mais um país da América Latina ou outro qualquer em vias de desenvolvimento em que se confunde justiça popular, vingança, tribunais legalmente constituídos, leis e tradição.
Estamos a falar não de nenhum desses países, sem desprestigio, é claro, mas do nosso pequeno Portugal. Pequeno no sentido literal e no sentido de tacanhez , de povo pacóvio que, em pleno século XXI, assiste a um Presidente de Câmara Municipal que não cumpre uma decisão do Tribunal e se arroga o direito de criticar a pessoa a quem este reconhece direitos e, como se não bastasse,  a uma ordem dos médicos que incentiva ao não cumprimento de um despacho publicado em Diário da República por um governo legalmente constituído.

No primeiro, caso o Presidente da autarquia de Pombal, manda efectuar o alargamento de uma via pública em terrenos alheios sem sequer avisar do início de obras, o seu legitimo proprietário. Ao ser dada razão ao mesmo, o Presidente recusa-se a cumprir a ordem do Tribunal. Parece anedota uma vez que, como eleito democraticamente, devia assegurar o cumprimento da lei.

Segundo caso, as insólitas declarações de um organismo que supostamente representa os médicos e é legalmente reconhecido, para que estes não cumpram um despacho que inviabiliza as acumulações de gestão no público e no privado. Claro os médicos não são cidadãos como nós!

Se não fossem os disparates, a que nos habituámos neste país, ficaria surpreendido!

publicado por politicar às 10:34
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Dezembro de 2006

Acima do comum cidadão

A classe médica e a sua ordem consideram desajustadas as novas medidas do governo que obrigam a um controlo de assiduidade e pontualidade destes profissionais de saúde.
Pergunto-me porquê e só encontro uma explicação... estes profissionais sentem-se acima de qualquer cidadão comum e através desse "estatuto" sempre desenvolveram a sua actividade sem o rigor e a exigência devida a qualquer cidadão comum, no seu posto de trabalho.

Não se trata de um trabalho voluntário mas sim de uma actividade remunerada que envolve a vida de terceiros que cumprem horários de trabalho, que devem explicações aos seus empregadores, que se deslocam, por vezes, de muito longe com despesas que dificilmente suportam...
Trata-se pois de, como qualquer outro funcionário, cumprir as tarefas para as quais é pago, de uma questão de civilização, de honestidade, de dever e sinal de respeito pelo serviço público de saúde.

Passou pela cabeça de alguém que um docente chegue constantemente atrasado às suas aulas? Ou que um maquinista entre duas horas depois do previsto?

Mas a todos nós nos aconteceu já uma situação de espera para além do razoável, em qualquer hospital ou um cancelamento de uma consulta do qual só se tem conhecimento na própria unidade de saúde, a muitos quilómetros de casa...

Só vejo uma solução, recrutar médicos estrangeiros pois esses saberão cumprir...

 

publicado por politicar às 22:53
link do post | comentar | favorito
|

.Blog de opinião política

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


.artigos recentes

. Será mesmo Portugal?

. Acima do comum cidadão

.arquivos

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. todas as tags

.ligações

blogs SAPO

.subscrever feeds